Dicionário da Urologia

A


  • Anejaculação: Também chamada de incompetência ejaculatória, é a incapacidade de ejacular e de ter orgasmo.
  • Aparelho Urinário: Conjunto de órgãos do corpo humano composto pelos rins, ureteres, bexiga urinária e uretra; responsável pela depuração do sangue e formação da urina.
  • Anorgasmia: Ausência de orgasmo nas relações sexuais.
  • Anúria: Ausência de diurese ou quando o paciente urina menos que 100 mililitros por 24 horas.
  • Aspermia: Ausência de líquido seminal nas ejaculações (ver incompetência ejaculatória e ejaculação retrógrada).
  • Azoospermia: Ausência de espermatozóides no líquido seminal.
                                         
B


    • Balanopostite: Trata-se de um processo inflamatório ou infeccioso na glande ou no prepúcio. Se for de origem inflamatória, é provável que tenha sido causada por má higiene local. No segundo caso, de origem infecciosa, a patologia é causada pelo fungo Candida albicans. Ele se aproveita do ambiente úmido e aquecido que existe entre a glande e o prepúcio para se desenvolver. Independentemente das causas, os sintomas gerais são: vermelhidão, edema, secreção e dor.

  • Bexiga: Reservatório músculo-membranoso situado na parte inferior do abdome e que recebe a urina vinda dos ureteres, lançando-a na uretra.
  • Braquiterapia: Radioterapia realizada por meio de implante de sementes radioativas no órgão a ser tratado.
  • C
    • Cálculo: Chamado popularmente de pedra,é uma formação endurecida nos rins, bexiga ou nas vias urinárias, resultantes do acúmulo de cristais existentes na urina.
    • Canal Deferente: Sinônimo de ducto deferente. É o canal pelo qual passam os espermatozóides provenientes do epidídimo. O canal depois muda de nome para canais ejaculadores até desembocar na uretra masculina.
    • Cistite: Inflamação da bexiga. É causada por bactérias, presentes no intestino. Seus sintomas são: dor (que pode ser mais localizada no baixo ventre), ardência ao urinar ou aumento da freqüência de micção. Também pode haver a ocorrência de febre – em geral baixa – ou dor lombar.
    • Condiloma: Lesão verrugosa que acomete geralmente os genitais.
    • Criptorquia: É a ausência de testículo no escroto, por este ter ficado retido na cavidade abdominal ou no canal inguinal.
  • D


  • Disfunção Erétil: Termo utilizado para presença de distúrbios da ereção do pênis; algumas vezes está associado, de forma confusa, com ejaculação precoce.
  • Distúrbio Androgênico do Envelhecimento Masculino (DAEM): É a queda gradativa do hormônio masculino, a testosterona. Seus principais sintomas são: a perda ou diminuição do prazer (libido), dificuldade de ereção esporádica, mudanças no humor, baixa atividade intelectual, fadiga, depressão, desorientação espacial, aumento da gordura visceral abdominal. Começa a dar sinais a partir dos 40 anos.
  • Dispareunia: Coito doloroso. Pode ocorrer em homens e mulheres, mas é mais referido por mulheres.
  • Disúria: É a presença de dor, ardor ou sensação de queimação ao urinar.
  • Ducto Deferente: Ver Canal Diferente.
  • E

  • Ejaculação Precoce: É a incapacidade primária ou secundária de controlar a ejaculação antes, durante ou logo após a penetração vaginal.
  • Ejaculação Retrógrada: É o termo utilizado quando o paciente apresenta orgasmo sem a emissão do líquido seminal, uma vez que este se dirige para a bexiga urinária.
  • Ejaculação Tardia: Ejaculação seminal em tempo além do normal em relação sexual.
  • Emasculação: Intervenção cirúrgica de amputação total do pênis, geralmente em condição de câncer avançado.
  • Enurese: É a perda de urina que ocorre durante o sono. Pode ser noturna (mais comum) ou diurna e noturna.
  • Epidimite: Infecção do epidídimo.
  • Epidídimo: Órgão anexo ao testículo que conduz o esperma até o canal deferente.
  • Escroto: Bolsa que contém o testículo e seus órgãos acessórios; bolsa testicular.
  • Esfíncter: Válvula responsável por manter a continência urinária ou fecal.
  • Esperma: Líquido formado na genitália interna masculina responsável pela fertilização da mulher. É composto pelos espermatozóides, produzidos nos testículos e pelo líquido seminal, produzido nas vesículas seminais e na próstata.
  • Estenose: Estreitamento de canal ou orifício.
  • Estrangúria: Grande desconforto uretral caracterizado por espasmos da musculatura uretral e perineal, geralmente acompanhada de eliminação de gotas de urina; ocorre em salvas.
F
Fecalúria: É a presença de fezes na urina. Ocorre em fístulas (comunicações anormais) entre o intestino e o aparelho urinário.

G

  • Genitália Externa Masculina: Conjunto de órgãos do homem composto pelo pênis e pela bolsa testicular. Responsável pela sexualidade e reprodução do homem.
  • Genitália Interna Masculina: Conjunto de órgãos do homem composto pelos testículos, epidídimos, canais deferentes, ductos ejaculadores, vesículas seminais e próstata. São responsáveis pela produção e condução do esperma.
  • Glande: É a parte sensível do órgão sexual masculino, situada na extremidade do pênis, terminada pela abertura da uretra. É recoberta pelo prepúcio em indivíduos não-circuncidados.
H

  1. Hematúria: É a presença de sangue na urina. Quando o sangue é visível apenas no exame de urinar é chamada de hematúria microscópica. Quando é visível a olho nu, hematúria macroscópica.
  2. Hemospermia: É a presença de sangue no líquido seminal (esperma).
  3. Hesitação: Termo geralmente associado ao sintoma de demora para iniciar o jato urinário.
  4. Hidronefrose: Dilatação da pelve e cálices renais secundário à obstrução das vias urinárias.
  5. Hiperplasia Benigna da Próstata: Aumento do volume prostático secundário à idade.
  6. Hiperplasia Benigna da Próstata: Aumento do volume prostático secundário à idade.
I

  • Impotência: Ver disfunção erétil.
  • Incontinência Urinária: É a incapacidade de controlar a micção ou de armazenar a urina que leva uma pessoa a perder urina involuntariamente. Existem vários tipos de incontinência urinária: Total ou verdadeira – quando há perda constante de urina; Paradoxal ou por transbordamento – quando a bexiga fica tão cheia, por incapacidade de ser esvaziada, que transborda; Por urgência – também chamada urge-incontinência, quando está associada a um desejo forte, súbito e inadiável de urinar; De esforço – também chamada por estresse, quando ocorre perda de urina ao tossir, espirrar ou fazer esforços.





Ervas Naturais

DESCRIÇÃO: O algodoeiro é o nome vulgar dado a várias espécies do género botânico Gossypium, da família Malvaceae. Existem cerca de 40 espécies arbustivas nativas das regiões subtropicais e tropicais, algumas  são utilizadas para a produção da fibra têxtil conhecida como algodão. 

INDICAÇÃO: O chá de Algodoeiro é indicado para hemorragia uterina, menstruações abundantes, afecções dos rins e para o aumento da lactação. 

COMO FAZER: Colocar 2 colheres de sopa para um litro de água. Deixe cozinhar por cerca de 10 minutos, a partir do momento em que se inicia a ebulição, após esse tempo, retire do fogo e deixe repousando por 10 minutos. Coe e está pronto para o uso. 

COMO BEBER: Tomar 1 xícara 3 vezes ao dia. 


DESCRIÇÃO: A Nogueira-comum  é uma árvore que pode medir até 25 metros, da família Juglandaceae, nativa da Europa e da Ásia, cuja madeira é de ótima qualidade. Também conhecida como nogueira-do-Ceilão e nogueira-da-Índia, possui casca de cor acinzentada com folhas de um longo pecíolo. Suas folhas contêm um óleo aromático, além de possuir flores em amentos e frutos drupáceos, conhecidos como nozes são muito resistentes. 

INDICAÇÃO: O Chá de Nogueira => Trata o útero, bexigas, inflamações dos ovários, anemia, anginas, artritismo, dermatose, diabete, diarréia, fraqueza orgânica, gota, hemorróidas, icterícia, impureza do sangue, mal do Pott, mau-hálito, pele ressecada, reumatismo e transpiração.

USO EXTERNO: É um bom tratamento para feridas, erupções cutâneas e tumores. 

COMO FAZER: Coloque 2 colheres de sopa para um litro de água. 
Deixe cozinhar por cerca de 10 minutos a partir do momento em que se inicia a ebulição, após esse tempo, retire do fogo e deixe repousando, tampada, por 10 minutos. Coe e está pronto para o uso. 

COMO BEBER: Tomar de 2 a 3 xícaras ao dia.

Carência ou falta de Progesterona

A progesterona é um hormônio fundamental para a gravidez, pois ela é a responsável por manter a gestação.
A Progesterona aumenta o endométrio, oferece nutrição para o nenê e inibe a contração uterina. Percebe a importância? Um bom indicador de que tudo está bem com a Progesterona é a menstruação. Se você está menstruando normalmente sem o uso do anti-concepcional, é porque certamente está produzindo todos os hormônios adequadamente.
A progesterona é produzida principalmente no ovário. No processo da ovulação, o óvulo se encontra dentro de uma pequena bolinha líquida chamada folículo. É justamente este folículo que produz o estrógeno, hormônio feminino básico. Após a liberação do óvulo, o folículo se transforma em corpo amarelo e começa a produzir a progesterona. Ela é que prepara a mulher para a amamentação e o aleitamento. A realidade é que o ciclo menstrual prepara a mulher para a gravidez todos os meses.
O estrogênio é o hormônio básico da mulher. Sua produção começa na adolescência, quando é responsável pelo aparecimento dos sinais sexuais secundários na mulher, e vai até a menopausa. É justamente a falta de estrogênio causa as ondas de calor na maioria das mulheres.
Voltando à Progesterona, ela é produzida pelo corpo lúteo do ovário, até cerca de 20 semanas de gestação, para depois ser sintetizada pela placenta. Muitas mulheres inférteis, com falhas de implantação e com aborto recorrente apresentam baixos níveis de progesterona no sangue.
Nesses casos, é indicada uma suplementação de progesterona na fase inicial da gravidez. A progesterona age não só na receptividade endometrial, mas também a resposta imunológica materna, devendo a suplementação permanecer até por volta da 16ª semana, alguns médicos recomendam somente até a 10ª semana.
Se você tiver mais dúvidas, converse com seu médico. Grávidas com mais de 35 anos sofrem aborto em 35% das gestações, consideradas em gravidez de risco por às vezes devido à má formação do feto que pode ser motivada pela carência de progesterona no organismo feminino nesta fase da vida.
De qualquer maneira, o médico pode fazer uso da progesterona em forma de comprimido para compensar o deficit ovariano e diminuir o risco de aborto.
Perguntas frequentes:
O que é Progesterona?
Progesterona é um dos hormônios produzidos pelo ovário desde a puberdade, e pela placente durante a gravidez

Como a Progesterona é produzida?

No processo da ovulação,(se você não lembra mais ou ainda não leu a nossa aulinha sobre o ciclo menstrual ainda está em tempo, aqui do lado esquerdo tem nosso índice! ) o óvulo, , se encontra dentro de uma pequena bolsinha chamado folículo. Após a liberação do óvulo este folículo se transforma no chamado corpo lúteo, e aí começa a produzir a progesterona.

Qual a função da Progesterona?

Simplificando, a Progesterona prepara o corpo e o emocional da mulher para a gravidez… Ele prepara o interior do útero para receber o ovo fecundado, espessando-o e aumentando a circulação sanguínea e iniciar a gestação… É responsavel pela preparação das mamas para a produção de leite… E por inibir as contrações do útero impedindo a expulsão do embrião que se está implantando ou do feto já em desenvolvimento (aborto)…
E se eu não engravidar o que ocorre com a Progesterona?
Se o óvulo em determinado ciclo não for fecundado, o corpo lúteo que começou a secretar a progesterona desaparece, fazendo com que os níveis do hormônio diminuam rapidamente, provocando a descamação do revestimento interno do útero que começou a ser preparado: é a menstruação…
Valores de Referência
Valores de Referência (ng/ml)*
Homens……………. 0,22 a 0,94
Mulheres: Fase Folicular …. 0,22 a 0,56
Meio do Ciclo ….. 0,40 a 1,30
Fase Lutea …….. 3,64 a 18,10
Os valores de referência podem variar conforme o laboratório que foi realizado o exame, portanto siga os valores de referência do seu exame!
Bom, agora que já temos essas informações vamos as alterações que podem ocorrer na concentração desse hormônio…
O que pode estar ocorrendo se minha progesterona estiver diminuída?
Quando a progesterona está baixa no organismo as mulheres podem estar apresentando:
- Anovulação: quando a mulher não ovula o corpo lúteo não exite e a progesterona não é produzida (é importante pesquisar o motivo de não estar ovulando!)
- Retenção hídrica, enxaqueca, irritabilidade
- Disturbios menstruais: menstruar fora do tempo certo no ciclo
- Abortamento

Quando a Progesterona está baixa normalmente o Duphaston ou outro medicamento a base de progesterona é indicado no tratamento… Vamos falar do Duphaston que é o mais comum…

Duphaston

** Informações retiradas do Bulário Eletrônico da Anvisa **
COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?
DUPHASTON é um progestagênio oralmente ativo com mecanismo de ação muito similar ao da progesterona normalmente encontrada em seu organismo, que é um hormônio produzido pelos ovários.
POR QUE ESTE MEDICAMENTO FOI INDICADO?
DUPHASTON é indicado nos casos em que há deficiência de progesterona e como complementar na terapia hormonal na menopausa.
Tratamento de deficiências de progesterona, tais como:
  • tratamento da dismenorréia
  • tratamento da endometriose
  • tratamento da amenorréia secundária
  • tratamento de ciclos irregulares
  • tratamento da síndrome pré-menstrual
  • tratamento de aborto habitual ou ameaça de aborto, associados com deficiência de progesterona comprovada
  • tratamento de infertilidade devido a insuficiência lútea.
ATENÇÃO !!
A progesterona baixa não é a causa da falta de ovulação!!
A falta de ovulação é que causa a diminuição da mesma !!
A medicação para aumentar os valores da progesterona tem a função de regular o ciclo mestrual das mulheres que apresentam sangramentos fora do período correto; auxiliar a preparação do corpo feminino para a gravidez, ajudando o embrião a fixar-se no útero e evitar o aborto…

NUNCA TOME MEDICAÇÃO POR CONTA PRÓPRIA!! SIGA SEMPRE AS INDICAÇÕES DE SEU MÉDICO!!


Sangramento de escape (Spotting)

Cinco por cento das mulheres experimentam manchas ou sangramento leve, entre os períodos menstruais (ver Referências). O stress é muitas vezes a culpa, mas não é a única causa possível. Existem várias outras condições que podem causar manchas menstrual.


Pílulas anticoncepcionais

  • Combinação de controle de natalidade pílulas contêm uma combinação dos hormônios estrogênio e progesterona em forma sintética. Comumente referido como “a pílula”, eles podem causar manchas menstrual entre os períodos, e pode ocorrer quando uma mulher está a tomar a pílula ou imediatamente após a interrupção do uso. A pílula engrossa o muco cervical para torná-lo difícil para o esperma de alcançar o útero, eo forro pode se tornar excessivamente espesso; a pílula também pode interromper a ovulação, diminuindo a quantidade de estrogênio seu corpo recebe. Porque libera estrogênio em pequenas doses, pode causar manchas. Esta mudança nos níveis de estrogênio pode também causar o seu período para se tornar irregular.

Gravidez

  • Algumas mulheres grávidas experiência spotting em torno do tempo de sua menstruação normal seria ocorrer. Durante a gravidez, o corpo deixa de produzir estrogênio, que é responsável por induzir o ciclo menstrual. Esta mudança hormonal pode causar um sangramento leve que às vezes é confundido com um período muito leve menstrual. Durante o primeiro mês de gravidez, implantação do embrião no útero também pode causar manchas ligeira, que é comumente chamado de sangramento de implantação.

Distúrbios hormonais

  • Distúrbios hormonais, como a síndrome dos ovários policísticos (SOP) e transição para a menopausa, os níveis de estrogênio pode causar a flutuar. Essa flutuação pode fazer períodos menos freqüentes, impedi-los completamente, mudar a sua extensão e volume, tornam-se esporádicos ou causar manchas.Durante a transição para a menopausa (também conhecido como perimenopausa), a produção de estrogênio diminui gradualmente ao longo de um período de até dois anos. Durante este tempo, o seu período pode tornar-se mais leve ou mais freqüentes. PCOS causa um aumento nos hormônios chamados andrógenos e uma diminuição nos níveis de estrogênio, que pára os ovários de lançar ovos. Este por sua vez, interrompe o revestimento do útero se acumule. Quando isso acontece, a menstruação deixa de acontecer, mas uma mulher pode continuar a ter luz spotting.

Endometriose

  • A endometriose é uma doença que provoca o revestimento endometrial a crescer fora do útero. Esse revestimento pode normalmente crescem no cólon, ovários, abdómen e no útero. Durante a época da menstruação, o revestimento endometrial galpões junto com o sangue no tecido uterino. Com endometriose, o forro vai sangrar onde quer que ela cresce. Não só vai ocorrer sangramento anormal, mas spotting vai bem.

Ovulação

  • Spotting luz também pode ocorrer durante a ovulação (ver Referências). Este tipo de mancha é inofensivo e, geralmente, acontece por volta da metade do ciclo menstrual. Esta mancha é geralmente acompanhada de dor leve, no lado direito ou esquerdo do abdômen. Em mulheres que não ovulam, o revestimento do útero continua a crescer e galpões em quantidades menores, às vezes esporádicas, o que também pode causar manchas menstrual.
Pontos principais: sangramentos vaginais bem leves no começo da gravidez são bastante comuns. Eles ocorrem em cerca de 20 por cento das gestações. Mas não deixe de conversar com seu médico. 


O sangramento de escape é normal na gravidez? 

Esse tipo de sangramento vaginal é parecido com uma menstruação, porém mais leve. Ele varia em coloração do vermelho ao marrom — mais ou menos como no comecinho ou no finzinho da menstruação. Embora não seja exatamente “normal”, o sangramento leve, durante os três primeiros meses, em especial, é comum e geralmente causado por alguma coisa sem maior importância. 


O que devo fazer se notar um sangramento vaginal? 

Ligue para seu médico imediatamente, mesmo que o sangramento pare. Provavelmente, você precisará ser examinada para descartar complicações e garantir que você e o bebê estão bem. 


O que causa esse tipo de sangramento vaginal? 

Há muitas causas para um leve sangramento vaginal no início da gravidez. Por exemplo, quando o óvulo fertilizado adere à parede do útero, pode haver um sangramento de implantação, que normalmente é leve e dura um ou dois dias. Outra circunstância que pode provocar sangramento é uma infecção vaginal, irritação ou inflamação no colo do útero ou um pólipo cervical (benigno).

Um ultra-som pode detectar a presença de um hematoma intra-uterino, que esteja causando o sangramento. Nesse caso, o médico vai acompanhá-la com mais cuidado e pode receitar repouso.

O sangramento vaginal pode ser sinal de aborto espontâneo ou gravidez ectópica, especialmente se for acompanhado de dor abdominal ou cólica. No terceiro trimestre da gestação, sangramento pode indicar problemas com a placenta ou trabalho de parto prematuro.

Se tiver um sangramento vaginal depois de 37 semanas, o mais provável é que seja sinal de que o colo do útero está começando a afinar (“apagar”, no termo técnico), ou até mesmo a se dilatar, e você poderá ter um corrimento de muco com um pouquinho de sangue, algo que assinala que o parto está próximo.

Endometriose: principal causa da infertilidade feminina

Antes de você achar que pode ter Endometriose, calma e leia atentamente esse artigo. Muitos sintomas são de outros problemas femininos, então, para um diagnóstico mais preciso, é necessário exames mais aprofundados. Fato pouco compreendido, a intensidade dos sintomas nem sempre se relaciona com a severidade da Endometriose. Mulheres com grandes focos diagnosticados podem apresentar sintomas leves, enquanto em outras mulheres, com focos mínimos, a dor pode ser insuportável. Para começar
Estive presente em um Workshop sobre Endometriose no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, com dois médicos especialistas no assunto: o Dr. Maurício Simões Abrão, Responsável pelo Setor de Endometriose da Clínica de Ginecologia do Hospital das Clinicas de São Paulo e o Dr. João Antônio Dias Jr, especialista em Reprodução Humana e Endometriose. Juntos, deram um panorama da situação da mulher moderna e essa enfermidade, que como outros problemas (como mioma), não têm explicação contundente.

Endometriose é uma doença que acomete as mulheres em idade reprodutiva e que consiste na presença de endométrio em locais fora do útero.
Uma das possíveis causas da Endometriose se deve a menstruação da mulher, nas últimas décadas, ter aumentado bastante. Há 100 anos atrás, o comum entre as mulheres eram ter muitos filhos, amamentarem esses filhos até 2, 3 anos de idade, o que fazia com que essa mulher menstruasse, durante a sua vida, cerca de 40, 50 vezes. É só fazer um cálculo básico para chegar até esse número: gravidez + amamentação= cerca de 3 anos sem a mulher menstruar. Se a gente por no papel que a mulher de décadas atrás, menstruava mais tarde e a menopausa se dava mais cedo, temos ai, apenas alguns anos de menstruação intercalada dessa mulher.

A mulher de hoje, ao contrário, pensa em ter um, dois filhos. Menstrua aos 11, 12 anos, a vida sexual começa muito mais cedo, mesmo sem filhos, ela tem todo um ciclo hormonal mais intenso, o que gera mais hormônios, mais estresse emocional e físico. O estresse influencia negativamente o sistema imunológico, o que colabora, inclusive, para outros distúrbios, como o problema dos ovários poliscísticos.
O maior sintoma da Endometriose é a dor pélvica aguda. Não é uma simples cólica, que passa ao tomar antiinflamatórios ou analgésicos, é uma dor como uma cólica de gases constante: você sente espinhos perfurando seu abdômen. E dura dias, antes e depois que a mulher menstrua. Pode ter prisão de ventre severa e dor na micção (fazer xixi). Dor na relação sexual, quando encosta na entrada do útero. Normalmente, a menstruação adianta, não atrasa. Pode ser uma dor intensa no dia da ovulação, caso o endométrio já esteja implantado no ovário. Pode provocar em cerca de 15% das mulheres com Endometriose, esterilidade.
Cura? Não existe. Existe tratamento. Clínico ou cirúrgico,dependerá do grau de infestação e dos problemas que a Endometriose causa a paciente.O tratamento cirúrgico, é indicado quando o endométrio já se espalhou pelo abdômen, gera dor intensa e incapacitante e a impede de ter filhos; consiste na retirada dos focos pela Laparoscopia. Em casos graves, também é indicado a ingestão de hormônio para impedir a ovulação e assim, que o endométrio se desenvolva.
Agora, como acontece a Endometriose?
Olha só que interessante. O Endométrio é uma mucosa que reveste toda o interior do útero e recebe a influência dos hormônios estrogênio e progesterona. Essa mucosa, quando a mulher não engravida (não existe óvulo fecundado), se solta, formando a menstruação. Só que essa mucosa libera junto células de endométrio, que podem formar novas mucosas em outras partes do corpo e quando estimuladas novamente pelos hormônios, incham, como acontece com o útero antes da menstruação.

Cerca de 90% das mulheres tem MENSTRUAÇÃO RETRÓGRADA, ou seja, é como um refluxo da menstruação. Ao invés dela só descer pela vagina, ela pode subir e entrar pelas trompas de Falópio, chegar aos ovários e escapar pelas franjas das trompas,chegando ao abdômen. Na maioria das mulheres, o organismo absorve essas células do endométrio ou elas simplesmente não se desenvolvem fora do útero. Porém, em algumas mulheres, cujas causas ainda não se descobriu (genética, hormonal, etc), essas células se implantam em tecidos de outros órgãos(intestinos, bexiga, parte exterior do útero, ovários, trompas, paredes do abdômen, etc.) e não conseguem se desgrudar de novo, quando ocorre uma nova menstruação.

É como se as células do endométrio fossem uma praga!

Gravidez ectópica, fora do útero
Já ouviu falar em gravidez ectópica ou tubária, quando a mulher tem uma gestação dentro das trompas ou até mesmo fora do útero, dentro do abdômen? Isso acontece porque onde o endométrio se forma, ele recebe estímulo dos hormônios e sangue e pode inclusive formar uma placenta em outro lugar que não seja o útero. Às vezes ficamos sabendo de mulheres com uma gravidez perto dos ovários: o óvulo saiu, encontrou o endométrio por ali mesmo nas trompas e pensou “opa, é aqui que eu tenho que me desenvolver”! O corpo feminino é mágico, mas ao mesmo tempo, cheio de artimanhas.

Resumindo, o endométrio sobe pelas trompas, sai pelas franjas das trompas, e por onde ele passa, vai criando novas mucosas. Depois que ele cresce e gruda, não tem como tirar ou exterminá-lo a não ser com cirurgia, como se fosse podando uma trepadeira. A dor vem pela constrição de vasos sanguíneos nos órgãos: é como se fosse um “choque”, se esticar demais um órgão que não é para ser esticado, você sente muita dor. Por exemplo, quando estamos com gases, expandimos o intestino e sentimos muita dor: o mesmo com estômago, bexiga e outros órgãos quando dilatados.
Aprendi o seguinte: mais uma vez, a mulher é um bicho complicado. Veja quantas coisas mexem com o emocional e o físico desse ser que parece simples, mas que com a ação de tantos hormônios se torna complicado. Nunca duvide da dor de uma mulher: ninguém agüenta dor, por mais durona que mulher pareça, mexe com o emocional e com todo o seu corpo. Se você sente dor aguda, mesmo fora do período menstrual e TPM, procure um médico e exija exames específicos.


O que é menstruação irregular?

Uma menstruação irregular é aquela em que foge o padrão regular de intervalo de dias entre uma menstruação e outra. A média é de 28 dias, podendo chegar até a 40, mas tem que vir sempre com intervalos fixos de dias. Quando uma menstruação vem com intervalos inferiores a 21 dias, vem em um mês, não vem no outro, atrasa mais de 10 dias em um mês, no outro adianta e isso se torna uma constante, aí temos um ciclo irregular. Atrasar 1, 2, 5 dias é perfeitamente normal, até atrasos com mais de 10 dias, dependendo da situação (leia abaixo os motivos), podem acontecer, mas mais do que isso, e ai vem um mês, depois não vem, há algum problema.
Já expliquei em outro texto, o Porque a menstruação atrasa, as causas físicas e emocionais que podem fazer com que o ciclo menstrual não siga a ordem correta, que é em média de 28 dias. Quem manda no aparelho reprodutor é o cérebro, é ele que através das glândulas hipófise e o hipotálamo, libera os estímulos para que outros hormônios sejam liberados e assim segue, fechando sempre um ciclo perfeito, o ciclo menstrual.
Mas nos dias de hoje, cada vez mais mulheres reclamam de seu ciclo menstrual, que ora adianta, ora atrasa, ora nem vem. E quais são os motivos para que isso aconteça? Antes de você ficar arrancando os cabelos, desesperada, achando que está grávida, saiba, a maioria dos atrasos hoje em dia se devem mais a fatores emocionais e hormonais do que uma gestação. Lembrando que os motivos abaixo apresentados são para que você se lembre se você fez algo que esteja fazendo algo de errado que possa prejudicar, mas é muito importante que você faça exames econsulte sempre um ginecologista.

Vamos ver os motivos:
Estresse e Problemas emocionais – Aquele problema que te pegou de jeito, que você ficou estressada, ansiosa, traumatizada, perda de um amor, luto por um ente querido,essas situações extremamente estressantes mexem demais com nosso cérebro, liberando adrenalina, que altera significativamente o envio de estímulos do cérebro para os ovários (que são os responsáveis pela progesterona e estrogênio que regulam todo o ciclo menstrual). Ou seja, qualquer problema psíquico pode alterar o ciclo. Se você é uma mulher nervosa, que vive à flor da pele ou que passa por problemas de ordem emocional há muito tempo, seria bom procurar seu ginecologista, explicar a situação e ver se é necessário, além de medicamentos, ajuda de psicoterapia.
Cafeína – Quem diria que se você tomar muito refrigerante a base de cola (coca-cola, pepsi,e tc), você pode diminuir o intervalo entre as menstruações. Ai, em um mês que você toma menos, atrasa. Isso também vale para mulheres que tomam muito café, ou que usam algum medicamento ou alimentação que contenham cafeína. Veja se você se enquadra nesse quadro de exagero de consumo de cafeína, pois afeta seu metabolismo e assim, sua menstruação.
Ganho ou perda excessivo de peso/ Má alimentação – Perder ou ganhar muito peso mexe com o metabolismo do corpo; no excesso, a produção de insulina pode prejudicar o funcionamento hormonal e na perda excessiva de peso, os ovários não liberem óvulos, como que num extinto de preservação corporal. Mulheres obesas também sofrem mais com ovários policísticos, que prejudicam a fertilidade. Dietas exageradas com falta de nutrientes ou mulheres que comem mal e se alimentam muito de carboidratos também podem desregular toda a menstruação. O certo sempre é uma dieta balanceada.
Uso de álcool, cigarro, nicotina, tabaco, drogas – todas essas drogas mexem com os estímulos cerebrais. Conseqüentemente, desregulam todo o organismo e por conseguinte, mexem com o ciclo menstrual.
Medicamentos/Quimioterapia – Medicamentos podem alterar o ciclo menstrual. Leia sempre a bula de todo medicamento e se informe com o seu médico se o uso pode desregular sua menstruação.
Exercícios em excesso/trabalho braçal em excesso – Pessoas que exageram em exercícios e se viciam em Endorfinas, devem saber que a endorfina em excesso inibe a hipófise, que é a glândula que libera estímulos para os ovários liberarem a progesterona e o estrogênio, responsáveis pelo ciclo menstrual. Sem eles, não existe menstruação ou pode vir assim que houver uma brecha da hipófise. Por isso muitas mulheres que são praticantes exageradas, menstruação a cada 3 meses e correm mais risco de ficarem inférteis. Como sempre o exagero pune seu corpo.
Desequilíbrio hormonal por causa da Perimenopausa – Antes da mulher chegar a menopausa (última menstruação) podem ocorrer falhas hormonais que deixam a menstruação espaçada. SE você estiver com mais de 45 anos e isso acontecer, pode ser que você esteja na fase pré-menopausa. Consulte um ginecologista.

Síndrome de ovários policísticos ou predomínio do estrogênio – Os ovários são os responsáveis pela produção da progesterona, testosterona, estrogênio. Quando um óvulo é liberado, ele começa a produzir progesterona, preparando-se para uma gravidez; se o óvulo fica retido, começa a ter excesso de estrogênio dentro dos folículos que envolvem os óvulos. Por causas não explicadas ainda, os ovários que apresentam esse “defeito” não conseguem liberar os óvulos e ai existe um excesso de estrogênio. Por isso os óvulos ficam lá, presos e a mulher pode ficar meses sem menstruar. Toda vez que a menstruação falhar mais de uma vez e atrasar por mais de 2 meses, você deverá procurar um ginecologista e fazer exames de taxas hormonais e ultrassom de útero e ovários para ver se existe a possibilidade de SOP.
Parto – quando a mulher tem um filho, existe ainda um excesso hormonal que precisa ser diminuído e ai, depende do organismo de cada uma. Ao amamentar, os hormônios sexuais femininos são diminuídos, para a formação da prolactina, (hormônio que produz o leite na mulher), fazendo com que ela não menstrue. Mas cuidado, assim que os níveis de prolactinabaixam, pode haver ovulação e se a mulher fizer sexo sem cuidado, pode engravidar mesmo amamentando.
Problemas uterinos – Má formação do útero, entre outros, podem influenciar na menstruação. Como digo e repito, qualquer alteração menstrual procure um ginecologista.
Esses são basicamente todos os problemas mais comuns que influenciam o ciclo menstrual. Antes de ficar ansiosa, veja se você não se enquadra em um deles e tente resolve-los, principalmente com um ginecologista de sua confiança. Não tome porcarias, chás, xaropes e assim por diante, porque seu problema pode ser mais facilmente resolvido com a medicação correta.

O que é NIDAÇÃO?

Perguntam tanto o que nidação, porque ouviram na escola ou no curso de biologia, que entram em desespero achando que o sangramento da menstruação pode ser a nidação.
Gente, eu não quero que vocês fiquem mais ansiosos achando que os sintomas de uma provável nidação possam ser confundido pelos sintomas pré-menstruação. O problema é que são parecidos ou imperceptíveis, por isso muitas mulheres não se dão conta que estão grávidas ou pior, ficam se martirizando, quando querem ficar grávidas, se apegando a qualquer sintoma minúsculo que seja para achar que estão.
O que eu quero que entendam é o seguinte: SEM SEXO NÃO EXISTE FERTILIZAÇÃO. SEM FERTILIZAÇÃO NÃO EXISTE NIDAÇÃO.
Então, antes que você delirem achando que um amasso com roupa ( o que é impossível de se engravidar), um esfregação sem penetração, e assim por diante, possam engravidar alguém, parem e se perguntem: EU FIZ SEXO PARA ESTAR GRÁVIDA?
Se a resposta é não, então raciocinem e parem de drama. 99.8% das mulheres vão engravidar com penetração e com ejaculação dentro da vagina no dia fértil. As outras por algum outro motivo, mas com certeza, com penetração ou ejaculação. Se você não fez nada disso, esqueça, você NÃO ESTÁ GRÁVIDA.
Bom, agora, entendam o que é a nidação.
Nidação é quando o óvulo fertilizado se fixa no endométrio da mulher. Pode demorar de 5 até 15 dias para que esse processo ocorra. Não tem como a mulher transar em um dia e se achar grávida no dia seguinte, isso é IMPOSSÍVEL.
Pode ser, e não acontece com todas, que sangre um pouquinho quando o óvulo se acomoda no endométrio, mas se for isso, será pouquíssimo sangue, duas gotas ou um restinho, sangue escuro porque é do endométrio que já está lá formado. Pode ser também que dê uma leve cólica, mais nada.
Mas pode ser que a mulher não sinta ABSOLUTAMENTE NADA.
Ou seja, até uns 15 dias depois do dia da ovulação, um exame de sangue pode dar inconclusivo, pois cada processo de nidação é diferente em cada mulher.
Então, antes de ficarem malucas, leiam o texto acima. Sem sexo, sem gravidez; sem contato direto com a vagina, pelado, sem roupa, não tem como ter uma fertilização, sem estar no dia fértil também. Prestem atenção a estes detalhes e o mais importante., PRESTEM ATENÇÃO AO SEU CORPO, pois não adianta nada ficar cheia de dúvidas se você não sabe nem o dia que você menstrua.
Para uma explicação mais detalhada sobre nidação e hormônios, leia o texto abaixo:
O embrião, que vai virar feto, para sobreviver, tem que estar ligado a mãe durante todo a gestação.
Quando o óvulo é fertilizado, e isso acontece dentro das trompas de falópio (tuba uterina), ele aguarda de 5 até 15 dias enquanto o endométrio está se formando, para que seja o “lar” do embrião durante toda a gestação. Após alguns dias da fertilização, o óvulo começa a produzir seu próprio hormônio ( o HCG), que vai fazer com que a produção de Progesterona e Estrogênio continuem. Por isso que o exame de sangue de gravidez se chama Beta HCG, porque assim dá pra saber quando o óvulo está fertilizado.
A manutenção dos níveis de Progesterona e Estrogênio impedem que o Hipotálamo produza hormônios( o GnRH) que façam com que a mulher menstrue, assim, o endométrio continuará a crescer e assim que o embrião perder sua “zona pelúcida” que o alimenta e protege, ele possa ser nutrido pelas glândulas do endométrio.
O embrião então, começa digerir as células endometriais e assim vai afundando, sendo ao mesmo tempo, envolvido pela proliferação de outras células do endométrio, e aí temos a NIDAÇÃO. Nesse processo, podem ou não algumas células endometriais se soltarem e provocarem alguma cólica ou leve sangramento, mas não é regra absoluta.
Após esse fenômeno, as estruturas embrionárias (Placenta, Cordão Umbilical, Saco Aminiótico) começam a se formar. A partir da 5º semana de gestação, a própria Placenta começa a produzir os hormônios Progesterona e Estrogênio, fazendo que o óvulo deixe de produzir o HCG.

Tabelinha

Antes de qualquer coisa, a Tabelinha não é um método anticoncepcional, serve mais para você engravidar, pois você controla a ovulação. Claro que para muitas, é usada como método contraceptivo, mas precisa conhecer muito bem o próprio corpo e todas as nuances de como ele se comporta em todas as fases do ciclo menstrual.
Mas é o método que mais falhas tem, ou seja, você pode achar que conhece muito bem seu corpo, mas pode se enganar.
Consiste na observação do ciclo e contagem dos dias. O ciclo menstrual normal varia de 28 a 30 dias. Se o seu clico é irregular, abandone esse método, não serve para você. Normalmente, o dia da ovulação, que é o dia em que a mulher está fértil (sim, a mulher fica fértil entre 24 e 48 horas por mês) se dá no meio do ciclo, ou seja, no 14º ou 15º dia. Nesse dia, contamos 4 dias antes e 4 dias depois para serem os dias que serão os de grande perigo para a mulher engravidar, porque os espermatozóides sobrevivem até 3 dias dentro da vagina e útero da mulher. Em alguns casos, foram encontrados espermatozóides vivos até 7 dias após a relação sexual . Sim, é um perigo confiar no corpo humano (risos)!
Fora os casos de mulheres que engravidam mesmo fora do período fértil, raríssimos, mas existem.
Então, quais seriam os dias bons neste caso, para não engravidar? A partir do 1º dia da menstruação, até o 10º dia e do 20º até vir a menstruação novamente. Veja, são 10 dias dentro do ciclo, em que a mulher estaria vulnerável a engravidar.
Vermelho – Menstruação
Branco - dias livres de engravidar
Amarelo – dias dentro do período fértil com folga antes e depois.
Mas uma vez, esse método só pode ser usado por mulheres reguladas, que não possam usar outro método muito mais eficaz, como a pílula anticoncepcional ou o homem usar camisinha. É um método mais usado para quem quer engravidar do que pra quem quer evitar. Também, não protege contra DST. Portanto, vá a um(a) ginecologista, conheça seu corpo e escolha um método eficaz, se você não quiser engravidar.

Mulher grávida menstrua? NÃO!

Mulher grávida menstrua? Essa pergunta corrói a mente da molecada que não entende nada de sexo e das mulheres desesperadas que não podem engravidar de jeito nenhum! A pedidos, vamos a explicação do que vem a ser esse sangramento, que algumas insistem em confundir com menstruação, porque lêem em diversos lugares por aí e também ouvem das tias da família que grávida menstrua!
Pra começar o que é menstruação? É o desprendimento do endométrio, que em todo ciclo menstrual, se forma para que o óvulo fecundado possa se implantar e ter alimento para se desenvolver. E quando ele se desprende? Quando o óvulo não foi fecundado e as taxas hormonais mudam, fazendo com que o endométrio se solte, já que não será utilizado. Todos os meses, ou em todo ciclo menstrual é assim, vários hormônios subindo e descendo e fazendo essa transformação toda, deixando a mulherada maluca! E os parceiros desesperados!
Então, uma resposta simples: mulher não menstrua quando está grávida, porque se ela colocasse todo o endométrio pra fora, como numa menstruação, o óvulo fecundado seria abortado. Aliás, muitas vezes até o óvulo é abortado sim, o organismo reconhece um defeito na fecundação, ou até mesmo por falta de hormônios necessários para a implantação, um óvulo fecundado pode ser descartado, para a infelicidade de muitas que querem engravidar.
Então, qual a diferença de menstruação e esse sangramento. Simples.
De acordo com o obstetra Alexandre Pupo, do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, as mulheres confundem muito esse sangramento com a menstruação. “No primeiro mês de gestação (gravidez), por exemplo, é normal ter um sangramento leve, comumente confundido com a menstruação pela data em que acontece. Mas isso é apenas a implantação do embrião. Quando ele cola na parede do útero, pode romper algum vaso sanguíneo”, explica Pupo.
Estágios do óvulo, até se implantar no endométrio, no útero
Essa implantação pode pode durar de 2 a 3 dias, é um sangramento leve, discreto, de coloração escura, que pode vir ou não acompanhado de uma cólica leve que passa logo, totalmente diferente da menstruação, que vem primeiro com um aviso que pode ser uma borra escura de sangue, e depois,desce com tudo, dura de 3 a 5 dias em média, acompanhado de cólica, porque o útero emite contrações fortes pra expulsar o endométrio.
Se uma grávida tivesse contrações assim, com certeza, abortaria. E cerca de 20 a 30% das mulheres podem apresentar esse sangramento, não todas. Não acreditem em quem diz que toda grávida menstrua!
Então, prestem atenção aos sintomas de quem não está grávida, mesmo com atraso.
- Primeiro, você tem que fazer sexo, e sexo com penetração e ejaculação; poucas mulheres engravidam só com ejaculação na entrada da vagina ou com liquido seminal, e tem sempre que estar no período fértil. Tirando essas ocasiões, a gravidez se torna impossível.
- O sangramento forte, vindo na época certa em quantidade grande, acompanhado ou não de cólica forte, não é sangramento de gravidez, é menstruação.
- Se você fez sexo e não menstruou, mas houve um pequeno sangramento leve de 1 ou 2 dias e têm sintomas de gravidez (mas preste atenção, esse sintomas só aparecem com grávidas de mais de 1 mês de gravidez) faça um exam de farmácia. Com atraso de menos de 10 dias, nenhum exame vai lhe dar um resultado correto.
Imagem do óvulo implantado no endométrio. Se o endométrio sair, como na menstruação, o óvulo seria expulso junto.
Outra coisa, uma mulher que sangra todo mês, em abundância e no dia certo, não tem condições de estar grávida. Grávidas com 3 meses de gestação e com sangramento abundante, correm risco de abortar e você já saberia se estivesse grávida, por outros sintomas. Então,descarte.
Toda vez que escrevo uma artigo é para que vocês prestem atenção e fiquem sossegados. Não façam desse texto uma neurose e procurem pêlo em ovo. As coisas são simples. Claro que existem mulheres com problemas hormonais e atrasos, mas como sempre digo, procurem um ginecologista e façam exames, mesmo que você seja virgem. A mulher tem muitos hormônios em constante ebulição em seu corpo e alguns prejudicam o perfeito funcionamento. Não tenham medo de nada, é só se cuidar!
Perguntas que a resposta esteja no texto, receberá uma resposta minha atravessada, hein? Por isso, leiam. Naõ uso termos complicados justamente para não confundir e deixar as coisas mais claras, sem estresse.

Porque a menstruação atrasa?

Você começou ou já está ativa na vida sexual faz tempo, de vez em quando a menstruação atrasa. Se você sempre foi regular, a primeira coisa que passa pela cabeça é: estou grávida? Mesmo que você nem tenha feito sexo ou tenha feito sexo seguro, a neurose não permite que você raciocine, vai logo pensando em besteira. As adolescentes então, sem nenhuma experiência sobre isso, mesmo em tempos modernos em que a informação está aí, nítida e de fácil aceso, preferem acreditar nas mais estranhas e estapafúrdias teorias de conspiração pra uma menstruação atrasar.
Já que eu explico, explico e vocês teimam e vivem perguntando a mesma coisa, vamos ver aqui tudo que pode atrasar uma menstruação, tirando o fato que vocês não teriam a mínima chance de estarem grávidas, como 99% das pessoas que me perguntam não tem.
Primeiro vamos ver como funciona o processo da menstruação.
As células em vermelho são o endométrio alimentando o óvulo(amarelo) fecundado.
A cada ciclo menstrual, que em média é de 28 dias, ocorre a eliminação do endométrio ( o que chamamos de menstruação) . Essa mucosa uterina é responsável pelo alojamento do embrião no útero, caso isso não ocorra, os hormônios estimulam que o útero expulse esse endométrio, para a renovação dessas células. Isso explicando a grosso modo, já que seu eu for explicar ao pé da letra, aí vira aula chata de ciências.
Tudo isso ocorre porque hormônios, estimulados pelo hipotálamo e pela hipófise (glândulas que regulam como os hormônios vão atuar no nosso corpo), agem no aparelho reprodutivo feminino. E se esses estímulos vem do cérebro, muitas coisas podem influenciar: estresse, traumas, nervosismo, ansiedade, isso falando dos problemas psicológicos, fora o monte de outros fatores como:
- Desequilíbrios hormonais/ Ovários policísitcos/ Excesso de estrogênio/ Menopausa
- Disfunções uterinas/ Parto
- Medicamentos/ Quimioterapia
- Cafeína/ Álcool /Cigarro / Drogas
- Alimentação errada/ Falta de vitaminas/ Perda de peso/ Excesso de peso
- Excesso de exercício físico

Para cada fator, existe uma explicação científica, porque nosso corpo é uma máquina que, qualquer parafuso fora do lugar, gera problemas. Hoje me dia, vejo que existem muitos mais casos de mulheres com problemas hormonais do que antigamente, porque a nossa vida é completamente diferente. Antes de ficarem completamente neuróticas, prestem atenção a sua vida e vejam se não existem fatores que possam atrasar a menstruação, sem ser relações sexuais. Já tive caso de mulheres que achavam estar grávidas, mesmo não fazendo sexo há mais de 3 meses, porque ao invés de raciocinarem, deixam se levar pela histeria sem sentido (sem contar que também não tinham nenhum sintoma de gravidez).
Se você tem uma menstruação que vem sempre com a mesma regularidade (de 28 em 28 dias é o normal, mas podem ser de 30 em 30, 35 em 35 dias, cada mulher pode ter diferenças e mesmo assim ser considerada regular) e atrasar, 1, 2, 3 dias até mais que isso, uma ou outra vez, calma que é normal. Uma mulher com menstruação normal pode atrasar até mais de 10 dias, dependendo dos problemas citados acima. O problema é quando isso ocorre freqüentemente.
Se você tem uma menstruação que atrasa todo mês mais de 15 dias, se sua menstruação falha, um mês vem, outro não, se você fica meses sem menstruar, com certeza, você tem algum problema que deve ser verificado por um ginecologista através de exames. Você deve verificar isso o mais cedo possível, para que num futuro, você não sofra se descobrir que possa ter ficado estéril ou com dificuldades de engravidar.
Só lembre de uma coisa: NÃO É PORQUE SUA MENSTRUAÇÃO ATRASA QUE VOCÊ NÃO CORRE RISCOS DE ENGRAVIDAR, AO CONTRÁRIO, CORRE MUITO MAIS POR NÃO TER NENHUM CONTROLE!
Então, antes de se lamuriarem, observem os sintomas e vejam se existe necessidade para desespero. E USEM CAMISINHA!